Pular para o conteúdo principal

Um bom espresso!

Não é fácil achar um bom espresso aqui na Austrália. Em Sydney, o que predomina são as cafeterias estilo fast-food, com 'shakes' a base de café, no estilo Starbucks.

Mas pra quem gosta de um bom espresso, precisa procurar um pouco mais pra achar.

Resolvi pedir ajuda para a Zoe Delany, vice-campeã do Australian Barista Championship (Campeonato Australiano de Baristas), concurso que qualifica a pessoa para participar do World Barista Championship (Campeonato Mundial de Baristas), concurso mais importante da categoria.

O WBC 2009 teve a Yara Castanho do Suplicy Cafés Especiais como 16º lugar, porém, a melhor qualificação brasileira continua sendo da Silvia Magalhães do Octávio Café em 2007.

Bom, a Zoe me deu algumas dicas de lugares para provar um bom espresso. Entre eles, o Mecca Espresso.

O Mecca Espresso é uma pequena cafeteria encravada no meio de uma movimentada avenida aqui em Sydney. Pode passar despercebida, mas, acredite, lá tem um dos melhores cafés que já provei em meses!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O espresso é bem tirado. O que me admirou no café foi sua consistência, um pouco mais encorpado que outros cafés e forte, mas sem ser ácido demais. Acho que dá até pra ver na foto.

Sobre a origem do grão,o barista me disse que é um blend de grãos da Costa Rica e Tanzânia.

Aprovado e fez valer os AUD$3.50...

Agora a pouco provei um outro espresso, não tão bom quanto o do Mecca. Foi no Opera Bar, um bar que fica ao lado da Opera House.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O café me lembrou muito os grãos brasileiros, especialmente da região mogiana, que são achocolatados e não muito forte. Faltou um pouco mais de cuidado ao ser tirado, talvez a água seja a da torneira (um bom espresso é feito com água mineral)...

Esse eu me arrependi de ter pago os mesmos AUD$3.50.

Sobre a origem do café, a barista não sabia a procedencia. Apenas a marca do grão: Di Lorenzo.

No site, informam apenas que os grãos são de origens diversas e o blend é segredo. Espero que percam esse segredo rapidamente! 

Mecca Espresso: 67 King St, Sydney, Austrália
Opera Bar: Lower Concourse Level, Sydney Opera House, Austrália

Comentários

Rubens Torres disse…
Que bom que achou o café, um cafezinho de vez em quando sempre é bom :)
Carola disse…
Nossa, muito legal teu blog! Achei bem por acaso, pesquisando sobre batatas fritas com casca (como as do Outback, que são perfeitas!). Vou voltar mais vezes agora. Parabéns!
Carol disse…
Mi, vc ta saindo um ótimo fotógrafo de comida!!!...CAFÉEEEEEEEEE...só porque eu amooooooo!!!...já reserva um dia para irmos no Mecca!!! beijocas com saudades...logo mais estou por ai...(lê-se...ano que vem!!!..rs)

Postagens mais visitadas deste blog

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.   A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.   Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.   Gorjetas   Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.   É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Algu

1000 coisas para comer antes de morrer

#0006 Pierog Comida típica polonesa, esse salgado é uma mistura do nosso pastel com um grande ravioli semi-cozido. No recheio, repolho, cebolinha, batatas e carne e cogumelos portobello. Além de versões mais modernas com morangos e confitures. Tradicionalíssimo na Europa central desde o século XVII e patrimônio gastronômico da Polônia.