Pular para o conteúdo principal

Cafeterias e o Café do Próximo!

Burton Morris / Coffee Cup / 2000

Ir a um café é um dos meus hábitos preferidos. Adoro sentar numa cafeteria, beber um café e passar horas batendo papo com amigos.

Desde os primórdios, as cafeterias sempre foram pontos de encontros e lugar onde as pessoas podiam conversar, ler, escrever ou jogar conversa fora.

A primeira casa de café surgiu na Constantinopla, em 1475, mas elas só se popularizaram no século XVII, com a abertura das primeiras casas em Londres (em 1652), em Boston (1670) e em Paris (1686).

O primeiro café de Paris, o Le Procope, existe até hoje em Saint Germain.

A cafeína, como se sabe, é um dos melhores estimulantes para o cérebro e ajudam as ideias fluirem e despertam as mais originais e revolucionárias.

Foi no Café de Foy, em 1789, que Camille Desmoulins juntou a população, iniciou a tomada da Bastilha e engatilhou a Revolução Francesa.

Foi também num café, o Green Dragon Coffee House em Boston, que aconteceu o Boston Tea Party onde os colonos protestaram contra os ingleses em 1773.

Eram tantas revoluções iniciadas em casas de café, que o Rei Charles II da Inglaterra proibiu o funcionamento de todos os cafés do Reino Unido.

Os franceses sempre defenderam as casas de café como "locais onde se tinha o direito de ler todos os jornais, fossem estes contra ou a favor do governo".

Mas a história das cafeterias que mais gosto, começou na Repúplica Tcheca, em Praga.

Lá, o compositor Jan Burian escreveu um livro chamado The Hanging Coffee, onde o personagem entra num café, o U Zavešenýho Kafe e toma um café. Na hora de pagar, paga dois cafés: o que ele tomou e um pendente para o próximo que pedir.

cafedoproximojanburian

Foi aí que surgiu o Hanging Coffee, Café Pendente ou o Café do Próximo.

Pede-se um café, e pode-se pagar por dois. E escrevem numa lousa na porta que há um café pendente. As vezes há 2, 3 ou nenhum.

Aqui no Brasil creio que só o Café Severino,  na livraria Argumento do Rio, faz essa tradição.

Em São Paulo, apesar de termos um boom de cafeterias novas nos últimos anos, não tem nada semelhante.

E é por essas histórias e tradições que bater um papo num café é sempre mais prazeiroso e gostoso! As vezes é mais fácil me encontrarem no Santo Grão do que em casa. :)

Comentários

Rubens Torres disse…
No alojamento onde moro tem café filosófico toda noite, o pessoal adora um cafezinho e o papo rola solto até tarde.
Fala sério! disse…
Adorei o Blog. Principalmente a parte do café. A vida ficaria muito sem graça se não tivessemos um lugarzinho para tomar um café e bater longos papos. Adoro isso!
Fran Prestes disse…
Sou uma apaixonada entusiasta do cafe. Acredito que uma xicara de cafe tem a magia similar de uma taça de um bom vinho! Associamos o momento de beber cafe aos amigos, à uma boa conversa casual, à momentos de descontração! Amei a historia do "hanging cooffee"!! Adorei seu blog. :o)

Postagens mais visitadas deste blog

Bolo Australiano de Banana

Ingredientes: 125g de manteiga100g de açúcar mascavo2 colheres de café de essência de baunilha2 ovos350g de banana amassada265g de farinha com fermento peneirada1 colher de café de bicarbonato de sódio80ml de leite
Modo de Preparo:
Passo 1: Aqueça o forno a 180C. Unte uma assadeira média (por volta de 22cm).
Passo 2: Usando uma batedeira, bata a manteiga, o açúcar e a baunilha por 5 minutos ou até ficar cremoso.
Passo 3: Adicione os ovos (um por vez), batendo bem a cada adição. Transfira para uma tigela maior. Usando uma colher de pau, adicione e misture gentilmente as bananas, o bicarbonato de sódio, o leite e a farinha. A dica aqui é adicionar aos poucos e sempre mexendo com a colher. Misture até ficar tudo homogêneo.
Passo 4: Coloque essa mistura na assadeira e leve ao forno por 30 minutos ou até o garfo espetado sair limpo. Deixe esfriar por 10 minutos até desenformar. 

Substituições: Açúcar Mascavo pode ser trocado pelo Demerara ou até mesmo o branco.Eu faço uma mistura de 50% de farinha bra…

Férias Forçadas

É. Eu sei. Não atualizei esse blog nas últimas semanas. Comecei a fazer um curso puxadíssimo de inglês aqui em Sydney, um preparatório para um exame, e com isso fico 6 horas diárias na escola + 4 horas diárias de homework. E, além disso, estou trabalhando nos finais de semana. Ou seja, não tenho sequer um dia livre… As coisas estão se ajeitando e estou com apetite para postar! :)

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.GorjetasUma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Alguns lugares sug…