Pular para o conteúdo principal

Não quer entrar para tomar uma xícara de café?


A crise econômica nos EUA e na Europa está influenciando o mercado de café e gerando uma tendência curiosa. 

Geralmente em tempos de recessão, a economia entra no que os economistas chamam de Fator Latte:  se você deixar de tomar o seu latte, espresso, cappuccino por dia no Starbucks ou naquele lugar perto do trabalho, você economiza não sei quantos (muitos) mil dólares no final do ano. 

Mas recentemente tudo mudou e aponta-se a uma tendência: as pessoas não desistiram de tomar café, mas passaram a tomar em casa, com o cuidado de não comprometer a qualidade.

As máquinas de espresso estão se popularizando muito rápido e há uma explosão de vendas nas máquinas que funcionam com cápsulas, como as da Nespresso.

Mas será que os cafés em cápsulas serão o futuro do café feito em casa?

Segundo pesquisa do instituto Euromonitor, não.  Com o aumento da concorrência das máquinas de café em cápsulas, os preços estão despencando, fazendo com que as pessoas preterem as famosas cafeteiras de filtro de papel. O ápice se dará em 2014, quando as máquinas com cápsulas serão o método caseiro mais popular de se fazer café. Mas o fato é que hoje essas máquinas estão introduzindo muita gente no mercado gourmet de café, sabendo escolher blends, origem e procedência.

Já as máquinas de espresso estão sofrendo uma "premiumização", se tornando um produto premium.

Ou seja, daqui há alguns anos os consumidores de máquinas com cápsulas se sentirão amarrados a uma determinada marca, sem poder trocar ou provar outros tipos de cafés e passarão a desejar um produto mais premium, podendo gastar um pouco mais com uma cafeteira espresso, livres para escolher e comprar o grão que quiser e onde bem entender.

Ou seja, o mercado de café segue inovando e se mostrando bem dinâmico mesmo em tempos de crise.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolo Australiano de Banana

Ingredientes: 125g de manteiga100g de açúcar mascavo2 colheres de café de essência de baunilha2 ovos350g de banana amassada265g de farinha com fermento peneirada1 colher de café de bicarbonato de sódio80ml de leite
Modo de Preparo:
Passo 1: Aqueça o forno a 180C. Unte uma assadeira média (por volta de 22cm).
Passo 2: Usando uma batedeira, bata a manteiga, o açúcar e a baunilha por 5 minutos ou até ficar cremoso.
Passo 3: Adicione os ovos (um por vez), batendo bem a cada adição. Transfira para uma tigela maior. Usando uma colher de pau, adicione e misture gentilmente as bananas, o bicarbonato de sódio, o leite e a farinha. A dica aqui é adicionar aos poucos e sempre mexendo com a colher. Misture até ficar tudo homogêneo.
Passo 4: Coloque essa mistura na assadeira e leve ao forno por 30 minutos ou até o garfo espetado sair limpo. Deixe esfriar por 10 minutos até desenformar. 

Substituições: Açúcar Mascavo pode ser trocado pelo Demerara ou até mesmo o branco.Eu faço uma mistura de 50% de farinha bra…

Férias Forçadas

É. Eu sei. Não atualizei esse blog nas últimas semanas. Comecei a fazer um curso puxadíssimo de inglês aqui em Sydney, um preparatório para um exame, e com isso fico 6 horas diárias na escola + 4 horas diárias de homework. E, além disso, estou trabalhando nos finais de semana. Ou seja, não tenho sequer um dia livre… As coisas estão se ajeitando e estou com apetite para postar! :)

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.GorjetasUma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Alguns lugares sug…