Pular para o conteúdo principal

Coreanos!

Abrir a mente. Esse é o mantra quando viajamos.

Mudei muita opinião nessa viagem que estou fazendo pela Austrália. Uma delas foi sobre coreanos. Os coreanos tem uma gastronomia de destaque, muito similar com outros países asiáticos, mas com uma personalidade que a torna um expoente.

Virou umas das minhas comidas favoritas e o “O Bai Than”, um dos meus restaurantes favoritos por essas bandas.

Uma das coisas que mais me chama a atenção, é a maneira como a mesa é posta. A quantidade de pratinhos na mesa. Visto de cima é uma coisa linda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Os ingredientes não se misturam no mesmo prato. Os quentes são do lado direito e os frios do lado esquerdo. Vegetais sempre na esquerda do arroz.

Charme recente? Não! Coisas do século XV quando os coreanos começaram a desenvolver a agricultura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Obviamente que sou um gênio e tirei foto aérea dos pratos no final do jantar. Fico devendo uma foto decente! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.   A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.   Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.   Gorjetas   Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.   É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Algu