Pular para o conteúdo principal

Kopi Luwak: A curiosidade está matando o gato

Talvez você já tenha ouvido falar de um café muito caro e raro, feito com grãos defecados por um animal.

Esse café é o Kopi Luwak, mundialmente conhecido por ser o café mais caro do mundo. Ele é produzido por civetas asiáticas, uma espécie de gato selvagem que vive na Indonésia e Filipinas. 

A civeta costuma selecionar e comer os grãos mais maduros e doces das plantações de café. Os grãos passam pelo sistema digestivo, onde entram em contato com enzimas que diminuem os peptídeos e aumentam os aminoácidos livres (bla bla bla), fazendo com que o grão, ao ser defecado, limpado e levemente torrado tenha um sabor menos amargo. Tudo isso, claro, em teoria.


Pois bem, há algumas semanas meu amigo holandês Bob esteve em Bali e me trouxe alguns presentinhos, e, todo empolgado, começou a mostrar fotos da plantação de café e como o café era produzido e, digamos, defecado pelo animal. Ao olhar as fotos, fiquei um pouco chocado com a crueldade e foi isso que me levou a escrever esse post.


As fotos (abaixo) mostram várias civetas presas em jaulas e forçadas a consumirem grãos de café para terem as fezes colhidas e vendidas a peso de ouro.



E exatamente aí que entra a polêmica: o Kopi Luwak é famoso, caro e raro porque as civetas escolhem somente os melhores e mais doces grãos de plantações de café. Os produtores, tentando lucrar com a curiosidade e fama mundial das fezes do bichano, criam em cativeiro, muitas vezes sob mau tratos. E isso foge da lógica de se tomar um Kopi Luwak.

Além disso, alguns produtores forjam produções para lucrar. A maior e mais importante associação de café do mundo, a SCAA (Specialty Coffee Association of America), denunciou que o consumo de Kopi Luwak é bem maior que a atual produção, estimada em 230 kgs anuais. O seja, você está comprando gato por lebre (desculpa o trocadilho).

Lendo um pouco sobre as civetas, descobri que a 
International Coffee Consulting Group resolveu testar os mesmos grãos das plantações onde a civeta vive e, segundo análise, o café feito pelos grãos defecados tem um sabor inferior, chegando a diferença de 4 pontos na escala da SCAA de um café feito pelo método tradicional. Ou seja, o café não ganha em qualidade ou propriedades. Ao contrário.

Polêmicas a parte, o valor pago pelo Kopi Luwak se refere ao preço da história, de tomar um café exótico defecado por um tipo de gato. E essa curiosidade, literalmente, está matando o gato.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.   A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.   Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.   Gorjetas   Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.   É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Algu
É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

Torta de Ameixas da Marian Burros

Entre 1983 e 1989, o The New York Times publicou durante os meses de setembro uma receita de torta de ameixas da chef Mariam Burros. Em 1989, o editor resolveu que seria o último ano que essa receita seria publicada no jornal. No ano seguinte, uma enxurrada de cartas pedindo a publicação da receita fez com que o jornal voltasse a publicar. Desde então, todos os anos, em setembro, a receita volta a ser publicada tradicionalmente no NYT. Em uma enquete há 5 anos atrás para escolher a receita favorita dos leitores, essa torta de ameixa foi eleita com 3 vezes mais votos que a segunda colocada. De onde vem esse apego? Talvez pela simplicidade da receita e por quase zero chances de dar errada. Ou talvez por ser tão versátil e substituir as ameixas por qualquer outra fruta. De fato, é muito simples, rápido e o resultado surpreende. Torta de Ameixas da Marian Burros Ingredientes: - 3/4 de uma xícara de açúcar (ou 130g) - 1/2 xícara de manteiga sem sal (ou 115g), em temperatura ambiente. - 1