Pular para o conteúdo principal

Madrid Fusión 2010

Madrid Fusión terminou há alguns dias com apenas um restaurante brasileiro participante, o D.O.M. do Alex Atala (que agora está fechado por uma semana para reforma).

Aqui na Austrália, um país não tão conhecido pela sua gastronomia, (na verdade é uma grande mistura de influências orientais), tivemos 3 restaurantes participantes. Um de Adelaide e dois de Sydney.

O melhor restaurante da Austrália e o 14º do mundo, claro, estava lá: Tetsuya do chef Tetsuya Wakuda.

O restaurante dele fica no centro de Sydney, numa rua não muito famosa por “restaurantes”. O restaurante - muito discreto, sem identificação - fica nos “fundos” de uma casa histórica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA          

O Menu Degustação custa AUD$ 198,00, aproximadamente R$ 337,00. Sem bebidas.

Outro restaurante que participou do Madrid Fusión foi o Marque, do chef Mark Best. O restaurante fica num edifício de 5 andares, na Crown Street, famosa rua de restaurantes ‘da moda” em Surry Hills.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA          

O Menu Degustação é mais beeemmmm mais barato que o Tetsuya, “apenas” AUD$ 145,00, aproximadamente R$ 246,00 por cabeça.

Aliás, ao lado do Marque fica outro restaurante, o Billy Kwong da Kylie Kwong, a chef-celebridade australiana-chinesa que também apresenta o programa “A Deliciosa China de Kylie Kwong” no GNT.

O segundo melhor restaurante da Austrália (segundo a revista britânica Restaurant), o “Quay”, não participou.

Visite quando vier pra Sydney, Austrália:
Marque Restaurant
4/355 Crown St, Surry Hills

Tetsuya's 529 Kent Street - CBD

Billy Kwong 3/355 Crown St, Surry Hills

Quay Restaurant Upper Level Overseas Passengers Terminal - Circular Quay West

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.   A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.   Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.   Gorjetas   Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.   É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Algu