Pular para o conteúdo principal

Café é o novo vinho?


Você, caro leitor, gostando ou não de café, deve ter reparado que o café está passando por uma revolução na última década:

No supermercado, o café em pó em saquinho passou a ser embalado a vácuo e nas prateleiras começaram a surgir novas marcas, cafés em grãos e de regiões como mogiana, cerrado, sul de Minas... Agora estampam "100% Arábica" com o maior orgulho... Antigamente bastava dizer que era o café que a mamãe prepara com todo o carinho.


Na rua, cafeterias pipocam e praticamente estão competindo em quantidade com petshops e pizzarias. Famosas redes de café, como o Fran's em São Paulo, estão se reformulando, renovando para poder competir com as milhares de novas opções que os consumidores têm: de Starbucks à cafeterias de cafés especiais.

Em casa, a moda é café em cápsula. Hoje em dia as máquinas de café sairam da cozinha e fora pra sala de estar... A Nespresso virou hit por sua praticidade e pelo design.

E, no ambiente social, certeza que você já deve ter ouvido as expressões "café gourmet" ou que o "café é como vinho".

Aliás, você precisa ter muito cuidado com a palavra gourmet. Gourmet não é categoria de supermercado. Gourmet é muito mais um movimento... Com o café, baristas escolhem o grão e o preparam na forma de resaltar as suas melhores propriedades. Coisa gourmet em supermercado é baboseira. Pode ser Premium, mas não gourmet.

Bom, assim como alguns jornalistas e escritores americanos apelidaram, estamos em uma "Terceira Onda do Café”, indo em direção à uma quarta onda, não se sabe ainda para onde exatamente, mas eu acho que é algo entre o cold brew e outras formas de extração.

Recentemente estou vendo alguns lançamentos de cold brew em agua de coco, ou até em kombucha (o que eu acho bem curioso porque café tem propriedades antibacterianas e o melhor do Kombucha são as…bacterias!).

E também devagarzinho estamos descobrindo um lugar fora do café Arabica ou Robusta (Canefora) como Geisha ou ainda coisas novas dentro da variedade Liberica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.   A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.   Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.   Gorjetas   Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.   É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Algu

1000 coisas para comer antes de morrer

#0006 Pierog Comida típica polonesa, esse salgado é uma mistura do nosso pastel com um grande ravioli semi-cozido. No recheio, repolho, cebolinha, batatas e carne e cogumelos portobello. Além de versões mais modernas com morangos e confitures. Tradicionalíssimo na Europa central desde o século XVII e patrimônio gastronômico da Polônia.