Pular para o conteúdo principal

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.

 

A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.

 

Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.

 

Gorjetas

 

Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.

 

É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Alguns lugares sugerem no iPad $3 de gorjeta para um café que custou $3.50. Aparentemente $2 está virando um padrão na indústria para um café com valor um pouco maior que isso, o que representa quase 50% do valor. Isso é um ponto que merece atenção especial tanto para quem consome tanto para quem vende. Um pouco demais, acho.

 

Abaixo, selecionei meus lugares preferidos para tomar café com base no meu pedido padrão: 1 café com leite (ou leite de soja) e 1 café filtrado, preto.

 

Blue Bottle Coffee

450 West 15th street - Chelsea

 

 Blue Bottle  Blue Bottle

 

Um café minúsculo, quase sem lugar para se sentar e feito para pedidos para viagem. Apesar do tamanho pequeno, Blue Bottle fez,  pelo segundo ano, meu melhor Latte que tomei em Nova York. É um exemplo de como o blend de baristas competentes, escolha de grãos e capacidade técnica consegue se impor mesmo sem todo o charme de cafés com sofás e decoração que se encontra por ai.

 

 

 

Intelligentsia (High Line)

180 West 10th street - Chelsea

 

IMG 0018

 

É um café escondido, no saguão do centenário High Line Hotel. Esse foi o lugar escolhido para ser a primeira filial do competente café criado em Chicago. Apesar dos lattes deliciosos e de um brownie de manteiga de amendoim para comer ajoelhado, o café filtrado na Kalita, com grãos encontrados em uma fazenda de Ruanda ( Nshimiyimana Gaspard's Farm) vale por si só a viagem de quase 10 horas para a terra do tio Sam.

 

 

Stumptown

30 West 8th street - Greenwich Village

 

IMG 0031  IMG 0032  

 

Talvez seja o café mais lindo de Nova York. Com um estilo art deco, globos de luz, mármore verde e detalhes em madeira, Stumptown é o melhor lugar para ter uma boa conversa, trabalhar no seu computador e beber um café delicioso, seja espresso ou filtrado (existe um bar só para os filtrados). Recomendo o grão bourbon da Guatemala (Finca El Injerto) feito na v60. Deu vontade de beber uns 2 litros de uma vez.

 

Intelligentsia (Herald Square)

1333 Broadway


Intelligentsia

 

Esse Intelligentsia fica anexo à Urban Outfitters, perto do Empire State Building e da Macy’s o que mantém o café lotado. Lindo, moderno, com algumas opções de filtrados feitos em uma engenhoca automática de controle de agua para V60 (nunca tinha visto) e pouca seleção de comidinhas no balcão. Apesar do ambiente compre-tome-saia, o café vale pela parada se voce achar espaço para sentar. 

 

 

Culture 36

247 W 36th Street

 

 Culture  Culture

 

Com staff simpático, esse café serve o que você procura: café. Com nada ou quase nada de comidinhas, o layout do Culture coffee é feito para pegar aquele café para viagem ou parar por um tempo na enorme mesa comunitária para tomar seu café. O café filtrado já pronto estava delicioso, assim como o sou latte preparado por um barista que adora conversar e vender os pacotinhos de  grãos da prateleira ao lado. 

   

Pushcart

401 W 25th Street


PC  PC

 

Localizado em Chelsea, esse é um café movimentado. Muita gente que trabalha ao lado fazendo reuniões e trabalhando nas mesas. O café com leite de soja estava perfeito e sem aquele gosto de baunilha que você encontra em alguns lugares. Já o café feito na aeropress, que era meu segundo pedido, foi recusado pela barista porque ela estava 'muito ocupada' e perguntou se eu queria um outro café. Isso era por volta das 11.30, fora do horário de rush. Talvez o café estava sem algum staff nesse dia, já que pedir os cafés filtrados disponíveis no menu parecia inviável. 

 

 

Toby's State  (West Village)

44 Charles Street


TBS  TBS


Toby's é um café originalmente australiano, do bairro de Wooloomoolloo. Foi um dos pioneiros aqui em Sydney a investir em café de qualidade, porém hoje, com novos concorrentes, ele deixou de ser relevante. Aproveitando a reputação dos cafés australianos pelo mundo, abriu uma filial em Nova York onde faz bastante sucesso, com um ambiente rústico é um café bem bom, onde se pode tomar o Flat White, famosa invenção australiana.

 

Joe's 

405 W 23rd Street


Joe


Joe's é uma rede de cafés especiais que está se multiplicando por Nova York.  Apesar de cada Joe ter uma característica diferente, alguns conseguem extrapolar sua expectativa. Foi o caso do Joe’s de Chelsea, da 23av, onde duas baristas revezavam entre as máquinas e fizeram um dos melhores lattes daquela semana. As opções de comida variavam de varinhas de cereais caseiras a pedaços de bolo que pareciam bem saborosos. 

 

Third Rail Coffee

240 Sullivan Street


TR


Talvez eu tenha tido um azar tremendo quando estava lá, mas o staff não estava muito amigável. O café filtrado servido no dia era o peruano Tupac Amaru, bom mas não tão memorável. O que valeu a visita foi o café etíope Guji, feito na Chemex. O café é bem pequeno com apenas 6 minúsculas mesas no lado de dentro. 

 

 

Esses são os cafés pequenos, pontuais, que estão por Nova York. E, se você é como eu que precisa tomar um café para poder fazer qualquer coisa em qualquer lugar, a lista continua com os cafés de grandes redes e, claro, de pontos turísticos.

 

Starbucks


Starbucks é polêmico para quem gosta de café especial. Não é pra menos… É muito chantilly, leite, xarope e açúcar para um copo só. Além da torra escuríssima dos grãos (que na verdade ajuda na padronização de sabor em todas as lojas ao redor do mundo), o que dificulta encontrar características sensoriais de cada variedade. Mas se você souber escolher bem, você sairá contente de um Starbucks.

 

Visitei a loja para conhecer o novo “Flat White”, inspirado no famoso “Flat White” aqui da Australia e Nova Zelândia. E não é nada parecido. Muita espuma e muito leite.  

 

S

 

O que o Starbucks faz de melhor (além dos milkshakes com gosto de café), talvez, seja a Clover Machine, uma máquina de fazer café filtrado que controla com precisão as variáveis para um resultado saboroso. E com boas opções de grãos para escolher, as vezes até com micro-lotes ou cafés raros, como o Geisha.

 

S

 

Na semana em que estive lá, tomei um delicioso Konga da Etiópia e um bom West Java. Procure sempre por Starbucks Reserve no menu. 

 

McDonalds

 

McD

 

Café filtrado do McDonalds. Muito melhor que o café já filtrado do Starbucks, mas longe de ser comparado a um café especial. Mas vale o US$1.

 

Metropolitan

 

Metro

 

Talvez ganhe a medalha de o pior café do mundo. Tentei, tentei e tentei beber o café filtrado do Metropolitan, mas não consegui dar 3 goles no caríssimo café. Raras vezes lembro de ter jogado um copo cheio de café no lixo. 

 

Cias Aéreas


Qantas


Viajei pela American Airlines e Qantas. E, por sorte, a Qantas faz um dos melhores cafés servidos em voos que já provei. São feitos por charmosíssimas French Press da marca dinamarquesa Bodum. E é bebível!

 

Já o café da American Airlines…

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolo Australiano de Banana

Ingredientes: 125g de manteiga100g de açúcar mascavo2 colheres de café de essência de baunilha2 ovos350g de banana amassada265g de farinha com fermento peneirada1 colher de café de bicarbonato de sódio80ml de leite
Modo de Preparo:
Passo 1: Aqueça o forno a 180C. Unte uma assadeira média (por volta de 22cm).
Passo 2: Usando uma batedeira, bata a manteiga, o açúcar e a baunilha por 5 minutos ou até ficar cremoso.
Passo 3: Adicione os ovos (um por vez), batendo bem a cada adição. Transfira para uma tigela maior. Usando uma colher de pau, adicione e misture gentilmente as bananas, o bicarbonato de sódio, o leite e a farinha. A dica aqui é adicionar aos poucos e sempre mexendo com a colher. Misture até ficar tudo homogêneo.
Passo 4: Coloque essa mistura na assadeira e leve ao forno por 30 minutos ou até o garfo espetado sair limpo. Deixe esfriar por 10 minutos até desenformar. 

Substituições: Açúcar Mascavo pode ser trocado pelo Demerara ou até mesmo o branco.Eu faço uma mistura de 50% de farinha bra…

Férias Forçadas

É. Eu sei. Não atualizei esse blog nas últimas semanas. Comecei a fazer um curso puxadíssimo de inglês aqui em Sydney, um preparatório para um exame, e com isso fico 6 horas diárias na escola + 4 horas diárias de homework. E, além disso, estou trabalhando nos finais de semana. Ou seja, não tenho sequer um dia livre… As coisas estão se ajeitando e estou com apetite para postar! :)