Pular para o conteúdo principal

Hard Rock Café

Ontem fui ao meu primeiro Hard Rock Café. Foi aqui em Sydney, aberto há menos de 1 ano em Darling Harbour, uma parte da baía de Sydney cheia de restaurantes, shopping e a maior tela IMAX de cinema do mundo.

Confesso que em nenhum momento da minha vida tive a atração de conhecer o local ou a marca Hard Rock Café. Fomos porque íamos jantar em um outro restaurante e a fila de espera era de 2 horas.

Enfim, apesar de alguns pontos positivos na decoração, a comida é horrível. O preço é razoável, mas a comida é horrível. Pedi um filé de frango com ervas e vegetais. O frango estava duro demais, os vegetais não estavam frescos (algumas vagens estavam podres! sim, podres), e o puré quase uma farofa.

Sem contar as marcas de dedo e beterraba no meu prato (minha amiga pediu um hamburger com beterraba, daí - espero - a falta de cuidado do cozinheiro na hora de fazer meu prato).

Tudo muito ruim. Não gostei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.   A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.   Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.   Gorjetas   Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.   É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Algu

Torta de Ameixas da Marian Burros

Entre 1983 e 1989, o The New York Times publicou durante os meses de setembro uma receita de torta de ameixas da chef Mariam Burros. Em 1989, o editor resolveu que seria o último ano que essa receita seria publicada no jornal. No ano seguinte, uma enxurrada de cartas pedindo a publicação da receita fez com que o jornal voltasse a publicar. Desde então, todos os anos, em setembro, a receita volta a ser publicada tradicionalmente no NYT. Em uma enquete há 5 anos atrás para escolher a receita favorita dos leitores, essa torta de ameixa foi eleita com 3 vezes mais votos que a segunda colocada. De onde vem esse apego? Talvez pela simplicidade da receita e por quase zero chances de dar errada. Ou talvez por ser tão versátil e substituir as ameixas por qualquer outra fruta. De fato, é muito simples, rápido e o resultado surpreende. Torta de Ameixas da Marian Burros Ingredientes: - 3/4 de uma xícara de açúcar (ou 130g) - 1/2 xícara de manteiga sem sal (ou 115g), em temperatura ambiente. - 1