Pular para o conteúdo principal

O Podre

Adoro coisa podre!


Bem que essa frase poderia ter sido dita pela escritora belga Amélie Nothomb sem nenhuma surpresa. Dito por qualquer outra pessoa no mundo, isso pode parecer, no mínimo, exótico.



Bom, todo mundo sabe que o primeiro e o mais importante passo para a evolução cultural do homem foi quando ele conseguiu domesticar o fogo. Com o fogo domesticado, passou a ser fonte de calor, luz e alimento.



Cria-se aí a gastronomia (relação natureza-cultura)



Mas… Qual foi o segundo passo mais importante da evolução cultural do homem?



Foi exatamente quando o homem conseguiu domesticar o… podre!



Exato! É a podridão domesticada. rs



Com a manipulação do podre, o homem criou as coisas mais gostosas do mundo: o vinho, o queijo, o iogurte e mais inúmeros alimentos a partir da fermentação, como o pão.



O antropólogo francês Claude Lévi-Strauss até criou o famoso Triângulo Culinário
onde todos os alimentos podem se encaixar nesse sistema. Até merecerá um post especial mais adiante.



Superficialmente pode ser lido assim:





Os alimentos "podres" foram fundamentais para estabelecer civilizações e criar sociedades, culturas e até divindades, como o Baco (na mitologia romana) ou Dionísio (na mitologia grega).



Tudo que possa parecer ruim a princípio, e com conhecimento e informação, é possível ser manipulado para um resultado bom.


Taí as coisas podres que não me deixam mentir!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

1000 coisas para comer antes de morrer

#0006 Pierog Comida típica polonesa, esse salgado é uma mistura do nosso pastel com um grande ravioli semi-cozido. No recheio, repolho, cebolinha, batatas e carne e cogumelos portobello. Além de versões mais modernas com morangos e confitures. Tradicionalíssimo na Europa central desde o século XVII e patrimônio gastronômico da Polônia.

Pão de Queijo feito em casa. Direto de Minas!

Outro dia comentei aqui no blog sobre a General Mills que irá descontinuar (adoro essa palavra) as marcas de pães e massas, incluindo a salvadora-do-lanche-da-tarde Forno de Minas . Pois bem, o leitor Rubens havia comentado o post, totalmente revoltado, com o sofrimento que ele tinha aqui em São Paulo de comer o verdadeiro pão de queijo mineiro. Detalhe: ele é mineiro. Ele comentou do pão de queijo caseiro da mãe dele. Pedi a receita e não é que a Dona Odete liberou pra gente?? Segue a receita do pão de queijo caseiro, feito lá em Minas... E que parece sensacional. Ainda não fiz, mas já está na listinhas de coisas para se fazer nos próximos finais de semana! [a receita segue descrita conforme foi enviada, para não perdermos nenhum detalhe!] Pão de Queijo da D. Odete Ingredientes: 1 copo (americano) de óleo 1 copo (americano) de leite 5 ovos 1kg de Polvilho azedo 1 colher (chá) sal 1 prato de queijo ralado 1 copo (americano) de águ