Pular para o conteúdo principal

O Podre

Adoro coisa podre!


Bem que essa frase poderia ter sido dita pela escritora belga Amélie Nothomb sem nenhuma surpresa. Dito por qualquer outra pessoa no mundo, isso pode parecer, no mínimo, exótico.



Bom, todo mundo sabe que o primeiro e o mais importante passo para a evolução cultural do homem foi quando ele conseguiu domesticar o fogo. Com o fogo domesticado, passou a ser fonte de calor, luz e alimento.



Cria-se aí a gastronomia (relação natureza-cultura)



Mas… Qual foi o segundo passo mais importante da evolução cultural do homem?



Foi exatamente quando o homem conseguiu domesticar o… podre!



Exato! É a podridão domesticada. rs



Com a manipulação do podre, o homem criou as coisas mais gostosas do mundo: o vinho, o queijo, o iogurte e mais inúmeros alimentos a partir da fermentação, como o pão.



O antropólogo francês Claude Lévi-Strauss até criou o famoso Triângulo Culinário
onde todos os alimentos podem se encaixar nesse sistema. Até merecerá um post especial mais adiante.



Superficialmente pode ser lido assim:





Os alimentos "podres" foram fundamentais para estabelecer civilizações e criar sociedades, culturas e até divindades, como o Baco (na mitologia romana) ou Dionísio (na mitologia grega).



Tudo que possa parecer ruim a princípio, e com conhecimento e informação, é possível ser manipulado para um resultado bom.


Taí as coisas podres que não me deixam mentir!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.   A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.   Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.   Gorjetas   Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.   É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Algu