Pular para o conteúdo principal

7 anos sem Coca-Cola

Hoje, 22 de março, faço 7 anos sem beber uma gota de Coca-Cola ou qualquer outro refrigerante.

Eu era um cara viciado, bebia até 4 litros de Coca-Cola por dia.

Não sabia mais o que era água. E, como tudo em excesso, comecei a sofrer com os efeitos do refrigerante, a ponto de ter que tomar cálcio...

Parei na semana em qual eu quase desmaiei por não ter bebido um copo de Coca-Cola e no dia em que meu dentista falou que, se eu não parasse de beber, era melhor dar adeus aos meus dentes em poucos anos.

E parar não foi fácil. Para me tapear, bebia suco Frisco em pó sabor guaraná.

Hoje, 7 anos depois, só bebo água, chá, café (meu outro vício) e sucos de frutas naturais.

Minha qualidade de vida melhorou muito!!

Acredite, existe uma vida sem refrigerante. E é ótima! ;)

Comentários

Anônimo disse…
AHH VAI CATAR O QUE FAZER SEU MANÉZAO!
Michel,
eu também era assim: me entupia de refrigerante. Hoje em dia bebo tão raramente, que no dia em que de fato bebi bastante coca-cola, acordei (pasme!) de ressaca no dia seguinte. Perguntei à nutricionista e ela explicou que era síndrome metabólica. Você coloca TANTO açúcar de uma vez no seu corpo (como quando bebemos álcool demais) que vc passa mal depois. É só ver a lista de ingredientes: água gaseificada, açúcar, e só depois entram os ingredientes mesmo. Fala sério... nunca mais. Parabéns pela força de vontade.

Bjos
Unknown disse…
ah como eu quero isso também!
hoje faz 3 dias sem coca cola!
eu tomo pelo menos 2 litros!
quando eu to com dinheiro eu chego a comprar 3 garrafas de 2L por dia!!
eu quero tomar uma agora + eu nao vou!!!!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.   A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.   Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.   Gorjetas   Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.   É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Algu

Torta de Ameixas da Marian Burros

Entre 1983 e 1989, o The New York Times publicou durante os meses de setembro uma receita de torta de ameixas da chef Mariam Burros. Em 1989, o editor resolveu que seria o último ano que essa receita seria publicada no jornal. No ano seguinte, uma enxurrada de cartas pedindo a publicação da receita fez com que o jornal voltasse a publicar. Desde então, todos os anos, em setembro, a receita volta a ser publicada tradicionalmente no NYT. Em uma enquete há 5 anos atrás para escolher a receita favorita dos leitores, essa torta de ameixa foi eleita com 3 vezes mais votos que a segunda colocada. De onde vem esse apego? Talvez pela simplicidade da receita e por quase zero chances de dar errada. Ou talvez por ser tão versátil e substituir as ameixas por qualquer outra fruta. De fato, é muito simples, rápido e o resultado surpreende. Torta de Ameixas da Marian Burros Ingredientes: - 3/4 de uma xícara de açúcar (ou 130g) - 1/2 xícara de manteiga sem sal (ou 115g), em temperatura ambiente. - 1